Notice (8): Undefined variable: description_for_layout [APP/View/Layouts/default.ctp, line 16] - 40 questões grátis para resolução." /> Notice (8): Undefined variable: description_for_layout [APP/View/Layouts/default.ctp, line 34] - 40 questões gratuitas para resolução." />
40 resultados encontrados para . (0.006 segundos)

49904 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

Analise a imagem a seguir.

Com base na imagem, pode-se inferir que o sistema construtivo adotado

  • a)
    é leve, reduz de 10% a 15% as fundações e estruturas, é de execução rápida com quantidade de sobras e entulhos inexistente, e possibilita a modificação de layout, dando flexibilidade ao projeto.
  • b)
    utiliza argamassas especiais para acabamentos, como os laminados plásticos e as colas adequadas, e permite que a estrutura interna de reforço para a fixação de cargas seja feita com peças de madeira tratada.
  • c)
    elimina a estrutura convencional, simplificando o processo, reduzindo etapas e mão de obra, com consequente redução do tempo de execução.
  • d)
    apresenta a vantagem da construção a seco, na qual subsistemas disponíveis acrescentam algumas vantagens à obra. Nos banheiros, usa-se tubulação flexível para água (PEX) e caixa de descarga embutida.

49909 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

No programa de desenho Autocad, alguns comandos funcionam como atalho e podem ser acionados no teclado do computador. Para se desenhar em grid, ativa-se a tecla:

  • a)
    F7
  • b)
    F5
  • c)
    F3
  • d)
    F1

49912 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

A Cidade de Goiás, a partir da Portaria nº 420, de 22 de dezembro de 2010, determina que, nas áreas de entorno às áreas tombadas, as novas construções devem obedecer a critérios e índices estipulados, observando e mantendo

  • a)
    relações volumétricas com o conjunto e com o ambiente.
  • b)
    evidentes características das construções da arquitetura colonial.
  • c)
    utilização de materiais e técnicas construtivas tradicionais, como a taipa de pilão.
  • d)
    índice de ocupação de 50% dos lotes e o restante com áreas verde e permeabilidade.

49930 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

As imagens a seguir são do edifício das Faculdades de Enfermagem e de Nutrição da Universidade Federal de Goiás,

localizado no Câmpus Colemar Natal e Silva. O edifício projetado pelo arquiteto Marco Antônio de Oliveira teve, em sua

concepção, uma preocupação com o conforto térmico. Observe as imagens.

A preocupação do arquiteto com o conforto térmico é atestada na utilização de:

  • a)
    aberturas para as fachadas leste/oeste.
  • b)
    iluminação zenital.
  • c)
    cobogó na fachada sul.
  • d)
    brises na fachada norte.

49932 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

O Parque Flamboyant, em Goiânia, se situa nas proximidades do Estádio Serra Dourada, no Jardim Goiás, e foi criado em

2007 com 125.000 m². Observe as três imagens que se seguem.

As imagens evidenciam que, no projeto de macropaisagismo do parque, foram criadas zonas de manejo que definem,

entre outras ações, o zoneamento que regulariza o uso do espaço em consonância com os interesses de conservação. De

acordo com este plano, o parque está dividido em:

  • a)
    zona de proteção integral (ZPI), zonas de proteção parcial (ZPP), zonas de uso restrito (ZUR), zonas de lazer (ZL) e lagos.
  • b)
    zona de proteção integral (ZPI), zonas de uso intensivo (ZUI), zonas de uso restrito (ZUR), zonas de recuperação (ZR) e nascente.
  • c)
    zona de proteção integral (ZPI), zonas de uso intensivo (ZUI), zonas de uso restrito (ZUR), zonas de recuperação (ZR) e lagos.
  • d)
    zona de proteção integral (ZPI), zonas de proteção parcial (ZPP), zonas de uso restrito (ZUR), zona de lazer (ZL) e nascente.

49967 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

Segundo o Art. 2° da Resolução n° 21/2012, do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), estão entre as atribuições do profissional arquiteto e urbanista:

  • a)
    I - supervisão, coordenação, gestão e orientação técnica; II - coleta de dados, estudo, planejamento, projeto e especificação; III - estudo de viabilidade técnica estrutural, geológico/mineral e terraplenagem; V - direção de obras, serviço técnico e auditoria executiva.
  • b)
    I - supervisão, coordenação, gestão e orientação técnica; II - estudo, planejamento, projeto e especificação; III - laudo patrimonial de levantamento histórico e pré-histórico; IV – análise, auditoria e controle de qualidade; V - elaboração de orçamento.
  • c)
    I - supervisão, coordenação, gestão e orientação técnica; II - coleta de dados, estudo e especificação; III – laudo técnico estrutural, produção e divulgação técnica especializada; IV - execução, fiscalização e condução de obra, instalação e serviço técnico; V - elaboração de orçamento.
  • d)
    I - supervisão, coordenação, gestão e orientação técnica; II - coleta de dados, estudo, planejamento, projeto e especificação; III - estudo de viabilidade técnica e ambiental; IV - assistência técnica, assessoria e consultoria; V - direção de obras e de serviço técnico.

49969 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

De acordo com o Plano Diretor de Goiânia, a distribuição equilibrada, pelo tecido da cidade, dos equipamentos comunitários é fundamental para sua sustentabilidade. A localização de cada equipamento na cidade, na região distrital ou no bairro deve obedecer a critérios de acessibilidade fundamentados na abrangência do atendimento social em relação à moradia. No caso de parques e praças de vizinhança, as distâncias máximas recomendadas, raio de influência, quantidade e área devem ser, respectivamente:

  • a)
    uma unidade para cada 20.000 hab.; área mínima do terreno: 20.000 m, que pode estar dissociada em áreas de até 6.000 m; raio de influência máximo: 2.400 m.
  • b)
    uma unidade para cada 30.000 hab.; área mínima do terreno: 3.000 m; raio de influência máximo: 400 m.
  • c)
    uma unidade para cada 10.000 hab.; área mínima do terreno: 6.000 m, que pode estar dissociada em áreas de até 600 m; raio de influência máximo: 600 m.
  • d)
    uma unidade para cada 15.000 hab.; área mínima do terreno: 5.000 m; raio de influência máximo: 500 m.

49972 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

De acordo com o Estatuto da Cidade, o Plano Diretor pode fixar áreas nas quais o direito de construir pode ser exercido acima do coeficiente de aproveitamento básico adotado, mediante contrapartida a ser prestada pelo beneficiário. Segundo a lei, o coeficiente de aproveitamento básico é a relação entre:

  • a)
    a área permeável e a área do terreno.
  • b)
    a população e uma determinada área.
  • c)
    a população urbana e a área urbana.
  • d)
    a área edificável e a área do terreno.

55091 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

Novo Urbanismo surge na década de 1980, inspirado nos padrões utilizados antes da ascensão e proeminência do automóvel no planejamento urbano das cidades. Ele defende um planejamento que resgate a qualidade de vida e melhore o relacionamento entre o homem e a cidade, num desenvolvimento sustentável de longo prazo, sempre considerando o impacto entre as novas e antigas intervenções urbanas e as suas repercussões nos planos social, ambiental e econômico. Nessa abordagem, o espaço público é definido como sendo:

  • a)
    espaço de circulação, de lazer, de contemplação ou de preservação ou conservação, espaço da sociedade, um espaço simbólico. São diferentes espaços que se opõem ou atendem a discursos dos agentes políticos, sociais, religiosos, culturais e intelectuais, que constituem uma sociedade.
  • b)
    princípio relacionado à política e economia. Nele, os espaços devem ser divididos em partes iguais entre loteamentos, áreas de circulação e lazer e destinados à instituição pública, como um órgão governamental ou de educação e cultura. O controle desse espaço se dá em virtude da participação no mesmo, com investimento e injeção de capital.
  • c)
    espaço simbólico por se opor aos discursos sociais, políticos e religiosos que administram sua manutenção, apresenta metade de seu espaço destinado às instituições públicas de ensino ou religiosas, e garante, igualmente, espaços de circulação, lazer, contemplação e preservação.
  • d)
    fruto das relações dos meios de produção, resultado do desenvolvimento das forças produtivas. É de propriedade do Estado e apresenta espaços de circulação, lazer, contemplação, preservação e conservação que são mantidos por seus moradores em atividades participativas de bairro ou qualquer outro tipo de intervenção.

55092 UFG (2017) - UFG - Arquiteto / Arquitetura

A escolha de materiais na arquitetura hospitalar deve ser criteriosa principalmente em relação a determinados ambientes, como aqueles que serão empregados nas áreas que emitem fontes de radiação, como as salas de raios X. Assim, as vedações verticais, pisos e tetos deverão ser tratados com:

  • a)
    argamassa baritada.
  • b)
    revestimento anódico.
  • c)
    bloco de concreto celular.
  • d)
    revestimento em espuma de poliuretano.