30 resultados encontrados para . (0.011 segundos)

50282 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

De acordo com a Resolução n. 001/1986 do CONAMA, o estudo de impacto ambiental deve desenvolver, no mínimo, a seguinte atividade técnica: de cada uma delas. As medidas compensat rias são opcionais no estudo de impacto ambiental.

  • a)
    elaboração do programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos negativos, indicando os fatores e parâmetros a serem considerados. Os impactos positivos dispensam monitoramento.
  • b)
    definição das medidas mitigadoras dos impactos negativos, entre elas os equipamentos de controle e os sistemas de tratamento de despejos, avaliando a eficiência
  • c)
    diagnóstico ambiental limitado à área de influência direta do projeto, incluindo a descrição e a análise dos recursos ambientais e suas interações, tal como existem, de modo a caracterizar a situação ambiental da área antes da implantação do projeto, considerando os meios físico, biológico e socioeconômico.
  • d)
    análise dos impactos ambientais do projeto e de suas alternativas mediante identificação, previsão da magnitude e interpretação da importância dos prováveis impactos relevantes, discriminando os impactos positivos e negativos (benéficos e adversos), diretos e indiretos, imediatos e a médio e longo prazos, temporários e permanentes.

50283 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

O gráfico a seguir destaca a variação de DBO520 ao longo de um rio com vazão de 5 m3/s.



No gráfico, no quilômetro 30 (ponto A), o corpo hídrico recebe um lançamento de efluentes oriundos de sistema de tratamento

de esgoto sanitário com vazão de 500 L/s. Nessa situação,

  • a)
    o lançamento promoverá a alteração da Classe do corpo de água, conforme determinado na Resolução n. 357/2005 do CONAMA, pois a concentração de DBO520 não atenderá ao padrão estabelecido para corpos de água de Classe 2.
  • b)
    o lançamento não promoverá a alteração da Classe do corpo de água, conforme o determinado na Resolução n. 357/2005 do CONAMA, pois a concentração de DBO520 permanecerá dentro do padrão estabelecido para corpos da água Classe 2.
  • c)
    o efluente poderá ser lançado no corpo receptor sem prejuízo para os usos previstos para o manancial, conforme Resolução n. 357/2005 do CONAMA, considerando que o corpo da água já se enquadra na Classe 3 antes do lançamento.
  • d)
    o efluente poderá ser lançado no corpo receptor sem prejuízo para os usos previstos para o manancial, conforme Resolução n. 357/2005 do CONAMA, considerando que o corpo da água já se enquadra na Classe 4 antes do lançamento.

50284 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / História e Geografia de Estados e Municípios

A Região Metropolitana de Goiânia (RGM) exerce importante papel na região central do Brasil, juntamente com Brasília. Em relação à metrópole goiana, o padrão do crescimento populacional é:

  • a)
    centrípeto.
  • b)
    centrífugo.
  • c)
    despolarizado.
  • d)
    descentrado.

50285 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / História e Geografia de Estados e Municípios

A Mesorregião do Norte Goiano faz fronteira com o estado do Tocantins e possui vinte e seis municípios. De acordo com o último censo do IBGE (2010), os dois municípios mais populosos dessa região são:

  • a)
    Minaçu e Campinorte.
  • b)
    Niquelândia e Porangatu.
  • c)
    Uruaçu e Cavalcante.
  • d)
    Crixás e Mara Rosa

50288 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

No processo de licenciamento ambiental de uma usina hidrelétrica, exigiu-se a elaboração do EIA/RIMA. Considerando que o órgão ambiental competente poderá estabelecer prazos de análise diferenciados para cada modalidade de licença (LP, LI e LO), com base nas peculiaridades da atividade ou empreendimento, bem como para a formulação de exigências complementares, o prazo para análise do licenciamento em questão, a contar do ato de protocolo do requerimento até o deferimento ou indeferimento do processo, segundo a Resolução do CONAMA n. 237/1997, deverá ser de até:

  • a)
    seis meses, sendo que o prazo poderá ser alterado mediante justificativa e com a concordância do empreendedor e do órgão ambiental competente.
  • b)
    doze meses, sendo que o prazo poderá ser alterado mediante justificativa e com a concordância do empreendedor e do órgão ambiental competente.
  • c)
    dezoito meses, sendo que o prazo poderá ser alterado mediante justificativa e com a concordância do empreendedor e do órgão ambiental competente.
  • d)
    vinte e quatro meses, sendo que o prazo poderá ser alterado mediante justificativa e com a concordância do empreendedor e do órgão ambiental competente

50289 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

Uma hidrelétrica de grandes dimensões será instalada no Estado de Goiás. A Lei Federal n. 9.985, de 18 de julho de 2000, instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e estabeleceu que, nos casos de licenciamento de empreendimentos de significativo impacto ambiental, assim considerado pelo órgão competente mediante fundamentação em estudo e relatório de impacto ambiental, o empreendedor é obrigado a apoiar a implantação e manutenção de unidade de conservação do Grupo de Proteção Integral a título de compensação. Segundo a referida lei, o montante de recursos a ser destinado pelo empreendedor para esta finalidade não pode ser inferior a qual porcentagem dos custos totais previstos para a implantação do empreendimento?

  • a)
    0,3%.
  • b)
    0,4%.
  • c)
    0,5%.
  • d)
    0,6%.

50290 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

Durante perícia ambiental realizada na área da estação de tratamento de efluentes de um antigo curtume, um Engenheiro Ambiental identificou vazamentos que poderiam comprometer a qualidade das coleções hídricas subterrâ- neas da região. Ao coletar amostras de água do subsolo para a realização de análises químicas com o objetivo de comprovar ou não a ocorrência de contaminação pelas atividades de beneficiamento de couro, necessitou indicar o parâmetro químico de interesse ambiental a ser quantificado pelo laboratório. Nesse sentido, qual é o analito mais indicado para se chegar à resposta técnica desejada para o caso?

  • a)
    Cromo.
  • b)
    Tolueno.
  • c)
    Aldrin.
  • d)
    Arsênio

54676 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

Ao fazer uma perícia ambiental em um posto de combustí- veis ativo, um engenheiro ambiental identificou que o empreendimento não dispunha da Licença de Operação válida. Para que o estabelecimento tivesse sua situação regularizada, o referido profissional solicitou que o responsável pelo posto providenciasse alguns documentos a serem utilizados no processo de licenciamento. Nesse sentido, são estudos técnicos requeridos no momento do licenciamento ambiental de postos de abastecimento que, associados entre si, comprovam se há ou não contaminação ambiental por hidrocarbonetos no subsolo:

  • a)
    Teste de Estanqueidade e Plano de Gestão Ambiental.
  • b)
    Investigação de Passivo Ambiental e Estudo de Impacto Ambiental.
  • c)
    Teste de Estanqueidade e Investigação de Passivo Ambiental.
  • d)
    Investigação de Passivo Ambiental e Plano de Controle Ambiental.

54678 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

A Resolução do CONAMA n. 237/1997 regulamenta os aspectos de licenciamento ambiental estabelecidos na Política Nacional do Meio Ambiente. Dentre esses aspectos, o que se refere ao licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades com significativo impacto ambiental, de competência exclusiva do órgão ambiental estadual, é:

  • a)
    empreendimentos e atividades localizados na zona econômica exclusiva.
  • b)
    empreendimentos e atividades destinados a pesquisar, lavrar, produzir, beneficiar, transportar, armazenar e dispor de material radioativo.
  • c)
    empreendimentos e atividades cujos impactos ambientais diretos ultrapassem os limites territoriais de um ou mais municípios.
  • d)
    bases ou empreendimentos militares, quando couber, observada a legislação específica.

54679 UFG (2017) - CELG/GT-GO - Analista Técnico - Engenheiro Ambiental / Engenharia Ambiental

A perícia tem a finalidade de subsidiar tecnicamente o magistrado para embasar sua decisão quanto à solução de determinado conflito. Esse subsídio torna-se possível pelo trabalho técnico-científico consubstanciado em documento chamado Laudo Pericial. A respeito deste documento, deve-se considerar o seguinte:

  • a)
    a perícia de constatação do dano ambiental tem a função de indicar os danos ambientais ocorridos, mas não o montante do prejuízo causado para efeitos de prestação de fiança e cálculo de multa.
  • b)
    a perícia ambiental é regida pelo Código de Processo Civil, assim como as demais modalidades de perícia.
  • c)
    a perícia ambiental pode ser realizada por portadores de cursos específicos, que comprovem conhecimentos e habilidades, dispensando-se a formação em curso superior.
  • d)
    a solicitação das perícias é de competência exclusiva do juiz ou promotor de justiça.