25 resultados encontrados para . (0.011 segundos)

78720 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

O diagnóstico da Hanseníase é essencialmente clinico e epidemiológico, realizado por meio da análise da história e condições de vida do paciente, do exame dermatoneurológico, para identificar lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade e/ou comprometimento de nervos periféricos (sensitivo, motor e/ou autonômico). É INCORRETO afirmar:

  • a)
    A baciloscopia de pele (esfregaço intradérmico), sempre que disponível, deve ser utilizada como exame complementar para a classificação dos casos MB. A baciloscopia positiva classifica o caso como MB, independentemente do número de lesões. Observe-se que o resultado negativo da baciloscopia não exclui o diagnóstico de hanseníase.
  • b)
    Os casos com suspeita de comprometimento neural, sem lesão cutânea (suspeita de hanseníase neural pura) e aqueles que apresentam área ( s) com alteração sensitiva e/ou autonômica duvidosa e sem lesão cutânea evidente, deverão ser encaminhados aos serviços de referência (municipal, regional, estadual ou nacional) para confirmação diagnóstica. Recomenda-se que nessas unidades os casos sejam submetidos novamente ao exame dermatoneurológico, à avaliação neurológica, à coleta de material (baciloscopia ou histopatologia cutânea ou de nervo periférico sensitivo) e, sempre que possível, a exames eletrofisiológicos e/ou outros mais complexos para identificar comprometimento cutâneo ou neural discreto, avaliação pelo ortopedista, neurologista e outros especialistas para diagnóstico diferencial com outras neuropatias periféricas.
  • c)
    Em crianças, o diagnóstico da hanseníase exige exame ainda mais criterioso, diante da dificuldade de aplicação e interpretação dos testes de sensibilidade. Recomenda-se utilizar o “Protocolo Complementar de Investigação Diagnóstica de Casos de Hanseníase em Menores de 15 Anos”
  • d)
    O diagnóstico de hanseníase deve ser informado ao paciente de modo semelhante aos diagnósticos de outras doenças curáveis e se causar impacto psicológico, tanto a quem adoeceu quanto aos familiares ou pessoas de sua rede social, a equipe de saúde deve buscar uma abordagem apropriada da situação, que favoreça a aceitação do problema, a superação das dificuldades e maior adesão aos tratamentos. Esta abordagem deve ser oferecida desde o momento do diagnóstico, bem como no decorrer do tratamento da doença e se necessário após a alta por cura.
  • e)
    A classificação operacional do caso de hanseníase, visando o tratamento com poliquimioterapia é baseada no número de lesões cutâneas de acordo com os seguintes critérios: Paucibacilar (PB) – casos com até 5 lesões de pele e Multibacilar (MB) – casos com mais de 5 lesões de pele.

78725 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

Segundo a ANVISA, são critérios definidores de infecção cirúrgica incisional superficial:

  • a)
    Ocorre nos primeiros 30 dias após a cirurgia e envolve apenas pele e subcutâneo.
  • b)
    Drenagem purulenta da incisão superficial
  • c)
    Cultura positiva de secreção ou tecido da incisão superficial, obtido assepticamente
  • d)
    Diagnóstico de infecção superficial pelo médico assistente.
  • e)
    Todas as alternativas estão corretas

78733 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

Segundo a NANDA 2015-2017 no seu domínio 4, classe 1: Alteração no padrão de sono, Despertar não intencional, Dificuldade no funcionamento diário, Dificuldade para iniciar o sono, Insatisfação com o sono e Não se sentir descansado são características definidoras de:

  • a)
    Insônia
  • b)
    Privação de sono
  • c)
    Padrão de sono prejudicado
  • d)
    Disposição para sono melhorado
  • e)
    Nenhuma das alternativas anteriores

78734 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

A hipertensão arterial grave pode levar a situações de emergência graves. Quais das situações clínicas abaixo não são consequências diretas da hipertensão arterial.

  • a)
    Acidente Vascular Cerebral
  • b)
    Edema agudo de pulmão
  • c)
    Hipertensão pulmonar
  • d)
    Dissecção de aorta
  • e)
    Infarto agudo do miocárdio

78752 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

A Lei 8.080 de 19 de setembro de 1990 dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. No Art. 5º estão descritos os objetivos do Sistema Único de Saúde SUS. É CORRETO afirmar que:

  • a)
    I - identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes da saúde; II - a formulação de política de saúde destinada a promover, nos campos econômico e social, a observância do disposto no § 1º do art. 2º desta lei; III - a assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas;
  • b)
    I - universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência; II - integralidade de assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema; III - preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral;
  • c)
    I - igualdade da assistência à saúde, sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie; II - direito à informação, às pessoas assistidas, sobre sua saúde; III - divulgação de informações quanto ao potencial dos serviços de saúde e a sua utilização pelo usuário;
  • d)
    I - utilização da epidemiologia para o estabelecimento de prioridades, a alocação de recursos e a orientação programática; II - participação da comunidade; III - descentralização político-administrativa, com direção única em cada esfera de governo;
  • e)
    I - alimentação e nutrição; II - saneamento e meio ambiente; III - vigilância sanitária e farmacoepidemiologia; IV - recursos humanos; V - ciência e tecnologia; VI - saúde do trabalhador.

85675 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

Assinale a alternativa em que todos os itens são sintomas de choque hipovolêmico.

  • a)
    Ansiedade, confusão mental, diarréia, taquicardia e pulso fraco
  • b)
    Tontura, pele fria, hipotensão, taquicardia e pulso fraco
  • c)
    Tontura, pele fria, hipotensão, respiração superficial e bradicardia
  • d)
    Tontura, pele fria, hipertensão, respiração superficial e bradicardia
  • e)
    Dor no peito, pele fria, hipertensão, respiração superficial e taquicardia.

85678 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa, e as manifestações clínicas da doença estão diretamente relacionadas ao tipo de resposta ao M. leprae. Temos então, as seguintes formas clínicas da doença:

I. Hanseníase Indeterminada: forma inicial, evolui espontaneamente para a cura na maioria dos casos ou evolui para as chamadas formas polarizadas em cerca de 25% dos casos, o que pode ocorrer em 3 a 5 anos. Geralmente, encontra-se apenas uma lesão, de cor mais clara que a pele normal, com distúrbio da sensibilidade, ou áreas circunscritas de pele com aspecto normal e com distúrbio de sensibilidade, podendo ser acompanhadas de alopécia e/ou anidrose. Mais comum em crianças.

II. Hanseníase Tuberculoide: forma mais benigna e localizada, ocorre em pessoas com alta resistência ao bacilo. As lesões são poucas (ou única), de limites bem definidos e um pouco elevados e com ausência de sensibilidade (dormência). Ocorre comprometimento simétrico de troncos nervosos, podendo causar dor, fraqueza e atrofia muscular. Próximo às lesões em placa podem ser encontrados filetes nervosos espessados. Nas lesões e/ou trajetos de nervos pode haver perda total da sensibilidade térmica, tátil e dolorosa, ausência de sudorese e/ou alopécia. Pode ocorrer a forma nodular infantil, que acomete crianças em 1 a 4 anos, quando há um foco multibacilar no domicílio. A clínica é caracterizada por lesões papulosas ou nodulares, únicas ou em pequeno número, principalmente na face.

III. Hanseníase virchowiana (ou lepromatosa): nestes casos a imunidade celular é nula e o bacilo se multiplica muito, levando a um quadro mais grave, com anestesia dos pés e mãos que favorecem os traumatismos e feridas que podem causar deformidades, atrofia muscular, inchaço das pernas e surgimento de lesões elevadas na pele (nódulos). As lesões cutâneas caracterizam-se por placas infiltradas e nódulos (hansenomas), de coloração eritematoacastanhada ou ferruginosa que podem se instalar também na mucosa oral. Pode ocorrer inflitração facial com madarose superciliar e ciliar, hansenomas nos pavilhões auriculares, espessamento a acentuação dos sulcos cutâneos. Pode ainda ocorrer acometimento da laringe, com quadro de rouquidão e de órgãos internos (fígado, baço, suprarrenais e testículos), bem como, a hanseníase históide, com predominância de hansenomas com aspecto de quelóides ou fibromas, com grande número de bacilos. Ocorre comprometimento de maior número de troncos nervosos de forma simétrica. IV. Hanseníase Dimorfa (ou Borderline): forma intermediária que é resultado de uma imunidade também intermediária, com características clínicas e laboratoriais que podem se aproximar do polo tuberculoide ou virchowiano. O número de lesões cutâneas é maior e apresentam-se como placas, nódulos eritemato acastanhadas, em grande número, com tendência a simetria. As lesões mais características nesta forma clínica são denominadas lesões pré faveolares ou faveolares, sobreelevadas ou não, com áreas centrais deprimidas e aspecto de pele normal, com limites internos nítidos e externos difusos. O acometimento dos nervos é mais extenso podendo ocorrer neurites agudas de grave prognóstico.

  • a)
    I, II, III
  • b)
    I, III, IV,
  • c)
    II, III, IV,
  • d)
    III, IV
  • e)
    I, II, III, IV

85679 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

Com relação às responsabilidades e deveres dos profissionais de enfermagem descritas no código de ética da profissão, escolha a alternativa INCORRETA

  • a)
    Avaliar criteriosamente sua competência técnica, científica, ética e legal e somente aceitar encargos ou atribuições, quando capaz de desempenho seguro para si e para outrem;
  • b)
    Prestar assistência de enfermagem sem discriminação de qualquer natureza;
  • c)
    Garantir a continuidade da assistência de enfermagem em condições que ofereçam segurança, exceto em caso de suspensão das atividades profissionais decorrentes de movimentos reivindicatórios da categoria;
  • d)
    Respeitar, reconhecer e realizar ações que garantam o direito da pessoa ou de seu representante legal, de tomar decisões sobre sua saúde, tratamento, conforto e bem estar.
  • e)
    Respeitar o pudor, a privacidade e a intimidade do ser humano, em todo seu ciclo vital, inclusive nas situações de morte e pós-morte.

85681 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

No mês de outubro deste ano 2016, durante a Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), o Ministério da saúde lançou uma ação nacional de combate a Sífilis. Foi assinada, com 19 associações e conselhos de saúde, uma carta compromisso estabelecendo ações estratégicas para redução da sífilis no país com prazo previsto de um ano. Com relação à sífilis pode -se afirmar:

  • a)
    O foco desta ação nacional são a gestante e seu parceiro no combate a Sífilis congênita;
  • b)
    A penicilina benzatina é o único medicamento seguro e eficaz na prevenção da sífilis congênita;
  • c)
    A detecção da sífilis só é feita por meio de testes rápidos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS)
  • d)
    Desde 2004, países de todo o mundo enfrentam o desabastecimento de penicilina benzatina, devido à falta de matéria-prima para a sua produção;
  • e)
    Segundo o tempo de infecção ela pode ser: Primária, Secundária, Latente e Terciária.

85711 IF-SERTÃO - PE (2016) - IF-SERTÃO - PE - Enfermeiro / Enfermagem

Conforme Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004, publicada no DOU de 10/12/2004, compete aos serviços geradores de RSS:

I. A elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS e a designação de profissional, com registro ativo junto ao seu Conselho de Classe, com apresentação de Anotação de Responsabilidade Técnica–ART, ou Certificado de Responsabilidade Técnica ou documento similar, quando couber, para exercer a função de Responsável pela elaboração e implantação do PGRSS;

II. A designação de responsável pela coordenação da execução do PGRSS;

III. Prover a capacitação e o treinamento inicial e de forma continuada para o pessoal envolvido no gerenciamento de resíduos, objeto deste Regulamento;

IV. Requerer às empresas prestadoras de serviços terceirizados a apresentação de licença ambiental para o tratamento ou disposição final dos resíduos de serviços de saúde, e documento de cadastro emitido pelo órgão responsável de limpeza urbana para a coleta e o transporte dos resíduos;

V. Requerer aos órgãos públicos responsáveis pela execução da coleta, transporte, tratamento ou disposição final dos resíduos de serviços de saúde, documentação que identifique a conformidade com as orientações dos órgãos de meio ambiente.

  • a)
    I,III, IV,
  • b)
    III, IV, V
  • c)
    IV, V
  • d)
    I, II, III, IV, V
  • e)
    I, III, V