Notice (8): Undefined variable: description_for_layout [APP/View/Layouts/default.ctp, line 16] - 28 questões grátis para resolução." /> Notice (8): Undefined variable: description_for_layout [APP/View/Layouts/default.ctp, line 34] - 28 questões gratuitas para resolução." />
28 resultados encontrados para . (0.016 segundos)

00394 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Banco de Dados

On Line Analytical Processing (OLAP) é uma tecnologia de software que permite a analistas de negócios, gerentes e executivos a análise e visualização de dados corporativos, por meio de acesso interativo, rápido e consistente. A funcionalidade OLAP é inicialmente caracterizada pela análise dinâmica e multidimensional dos dados consolidados de uma organização. A tecnologia OLAP é geralmente implementada em ambiente multiusuário e cliente/servidor, oferecendo assim respostas rápidas às consultas ad-hoc, não importando o tamanho do banco de dados nem sua complexidade, sendo também disponibilizada em ambiente Web. Essa tecnologia auxilia o usuário a sintetizar informações corporativas por meio de visões comparativas e personalizadas, análises históricas, projeções e elaborações de cenários. No contexto dos projetos lógicos de modelos de dados para processamento anlítico, uma operação OLAP é uma técnica específica de análise segundo a qual o usuário navega entre os níveis de dados que vão desde o mais resumido para o mais detalhado.

Essa operação é conhecida por:
  • a)
    Roll Down/Up.
  • b)
    Drill Down/Up.
  • c)
    HiperCube Down/Up.
  • d)
    Drill Bottom/Up.
  • e)
    Roll Bottom/Up.

12764 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

A figura abaixo ilustra um modelo de processo, que prescreve um conjunto de elementos de processo como atividades de arcabouço, ações de engenharia de software, tarefas, produtos de trabalho, mecanismos de garantia de qualidade e de controle de modificações para cada projeto.



Esse modelo é conhecido como Modelo:
  • a)
    por funções.
  • b)
    em cascata.
  • c)
    incremental.
  • d)
    em pacotes.
  • e)
    por módulos.

12765 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

Rapid Application Development (RAD) é um modelo de processo de software incremental que enfatiza um ciclo de desenvolvimento curto, com o uso de uma abordagem de construção baseada em componentes. Nesse modelo, três das principais fases são abrangidas pelas modelagens:
  • a)
    do negócio, dos recursos financeiros e das funções gerenciais.
  • b)
    do gerenciamento, dos recursos de TI e dos processos.
  • c)
    do planejamento, dos dados e das funções gerenciais.
  • d)
    do planejamento, dos recursos de TI e dos projetos
  • e)
    do negócio, dos dados e dos processos.

12766 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

Como Modelo evolucionário do processo de software, uma característica da prototipagem é:
  • a)
    independer do estabelecimento e da definição de requisitos.
  • b)
    configurar um processo interativo e rápido de desenvolvimento.
  • c)
    iniciar o processo de desenvolvimento pela implantação e pelos testes.
  • d)
    gerar uma primeira versão do sistema completa e isenta de erros.
  • e)
    descartar a participação do cliente no processo de desenvolvimento e de implantação.

12767 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

Sobre os processos de engenharia de requisitos, na elicitação e na análise ocorre total interação com os stakeholders no sistema, sendo o principal objetivo:
  • a)
    a obtenção dos requisitos.
  • b)
    a homologação do sistema.
  • c)
    a elaboração do manual do usuário.
  • d)
    a conversão de especificações em requisitos.
  • e)
    a execução do estudo de viabilidade do sistema.

12768 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

Na modelagem de processos, um modelo evolucionário de processo de software, originalmente proposto por Boehm, combina prototipagem e aspectos controlados e sistemáticos dos processos em cascata, sendo um gerador de modelo por risco, usado para guiar a engenharia de sistemas intensivos em softwares com vários interessados concorrentes, tendo duas características distintas, descritas a seguir.

I. É uma abordagem cíclica, para aumentar incrementalmente o grau de definição e de implementação de um sistema enquanto diminui seu grau de risco.
II. É um conjunto de marcos de ancoragem, para garantir o comprometimento dos interessados com soluções exeqüíveis e mutuamente satisfatórias para o sistema.

Esse modelo é conhecido por:
  • a)
    espiral.
  • b)
    dinâmico.
  • c)
    globalizado.
  • d)
    integrado.
  • e)
    empírico.

12769 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

O Processo Unificado, também chamado de Rational Unified Process (RUP), representa uma tentativa de apoiar-se nos melhores recursos e características dos modelos convencionais de processo de software, mas caracterizá-los de um modo que implemente muitos dos melhores princípios de desenvolvimento ágeis. Ele enfatiza o importante papel da arquitetura de software e sugere um fluxo de processo interativo e incremental, dando a sensação evolucionária que é essencial no desenvolvimento moderno de software. Nesse contexto, observe a figura abaixo.



As fases do processo unificado identificadas por ALFA, BETA e GAMA são denominados, respectivamente:
  • a)
    requisitos, elaboração e implementação.
  • b)
    requisitos, especificação e implantação.
  • c)
    especificação, transição e implantação.
  • d)
    concepção, elaboração e transição.
  • e)
    concepção, projeto e implementação.

12770 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

No que diz respeito aos sistemas de software, teste é um conjunto de atividades que podem ser planejadas antecipadamente e conduzidas sistematicamente. Um tipo I de teste se refere ao conjunto de atividades que garante que o software implementa corretamente uma função específica, associado à construção do produto de forma correta ou não, enquanto um tipo II se refere a um conjunto de atividades diferente que garante que o software construído corresponde aos requisitos do cliente, associado à construção do produto certo. Esses testes do tipo I e II são denominados, respectivamente:
  • a)
    depuração e homologação.
  • b)
    homologação e aceitação.
  • c)
    aceitação e verificação.
  • d)
    verificação e validação.
  • e)
    validação e depuração.

12771 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

No que diz respeito aos sistemas de software, o objetivo do teste é encontrar erros, sendo um teste aquele que tem alta probabilidade de encontrar um erro. Assim, um engenheiro de software deve projetar e implementar um sistema ou um produto baseado em computador com “testabilidade” em mente. Ao mesmo tempo, os testes devem exibir um conjunto de características que atinge o objetivo de encontrar a maioria dos erros com um mínimo de esforço. Dentre as características que levam a um software testável, uma pode ser resumida pela frase “Quanto melhor funciona, mas eficientemente pode ser testado”. Se um sistema é projetado e implementado com qualidade em mente, poucos defeitos vão bloquear a execução dos testes, permitindo que o teste progrida sem problemas. Essa característica é definida como:
  • a)
    estabilidade.
  • b)
    simplicidade.
  • c)
    operabilidade.
  • d)
    controlabilidade.
  • e)
    observabilidade.

12772 FGV (2010) - FIOCRUZ - Tecnologista em Saúde - TI - Sistemas de Informação / Engenharia de Software

Um tipo de teste de sistemas de software é também chamado de “teste comportamental” e focaliza os requisitos funcionais do software, permitindo ao engenheiro de software derivar conjuntos de condições de entrada que vão exercitar plenamente todos os requisitos funcionais de um programa. Esse tipo de teste tende a ser aplicado durante os últimos estágios do teste e tenta encontrar erros em funções incorretas ou omitidas, de interfaces, de estrutura de dados ou de acesso à base de dados externa, de comportamento ou desempenho de iniciação e término. Além disso, é um tipo de teste que despreza, de propósito, a estrutura de controle, sendo a atenção focalizada no domínio da informação. Esse tipo é conhecido por teste:
  • a)
    caixa-preta.
  • b)
    caixa-branca.
  • c)
    de fluxo de dados.
  • d)
    de caminho básico.
  • e)
    de lógica composta.