10 resultados encontrados para . (0.010 segundos)

05366 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Redes de Computadores

No gerenciamento do TCP/IP, um utilitário permite a verificação de registros, alias de host do domínio, serviços de host do domínio e informações sobre o sistema operacional por meio de consultas a servidores DNS. Outro utilitário permite a cópia de arquivos entre computadores com os sistemas operacionais Windows Server 2003 e computadores que executam o software de servidor Remote Copy Protocol. Já um terceiro, possibilita rastrear a rota que um pacote segue até um destino e exibe informações sobre perdas de um pacote para cada roteador no caminho.

Esses utilitários são conhecidos, respectivamente, por:
  • a)
    EXECNET, ARP e TRACEPING
  • b)
    TCPCONFIG, LPQ e IPROUTE
  • c)
    NSLOOKUP, RCP e PATHPING
  • d)
    STATNET, RPC e TRACEROUTE
  • e)
    NETCONFIG, LPR e PINGROUTE

05367 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Redes de Computadores

O protocolo IMAP4 [RFC 2060] suporta diversas formas de acesso às mensagens eletrônicas. Uma delas é a operação em que o programa do usuário faz uma cópia "cache" das suas mensagens e se desconecta do servidor, ou seja, o usuário fica com cópias de suas mensagens tanto no computador local quanto no servidor.

Após a realização de diversas operações, o usuário conecta-se novamente e faz uma sincronização das mensagens "cacheadas" localmente com o conjunto armazenado no servidor, atualizando todas as modificações feitas no seu conjunto de mensagens e pasta.

Essa forma de acesso ou modo de operação é denominada:
  • a)
    disconnected.
  • b)
    assíncrona.
  • c)
    síncrona.
  • d)
    offline.
  • e)
    online.

05368 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Redes de Computadores

O NIS (Network Information Service) tem por objetivo manter um serviço de informação de rede, que forneça aos usuários um ambiente transparente. Um importante passo é manter as informações de todas as contas de usuários sincronizadas em todas as máquinas, pois isto permite ao usuário mover-se de uma máquina para outra sem o inconveniente de ter que se lembrar de diferentes senhas ou copiar dados.

A informação administrativa que é armazenada no servidor não precisa ser duplicada e, assim, é possível medir a consistência dos dados, aumentar a flexibilidade para os usuários e tornar a vida do administrador do sistema muito mais fácil.

O funcionamento do NIS baseia-se em um componente que armazena as informações do cliente e acessa o servidor e várias ferramentas administrativas. Esse componente é denominado:
  • a)
    Network File System (NFS).
  • b)
    Remote Procedure CaII (RPC).
  • c)
    Yellow Pages Procedure (YPP).
  • d)
    Asynchronous Functions Call (AFC).
  • e)
    Kernel Transactions Manager (KTM).

05369 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Redes de Computadores

Na arquitetura TCP/IP, além do IP, os três protocolos que operam ao nível da camada de Internet ou rede, são:
  • a)
    ICMP, HTTP e SNMP
  • b)
    HTTP, SNMP e POP
  • c)
    SNMP, POP e ARP
  • d)
    ARP, RARP e ICMP
  • e)
    RARP, ICMP e HTTP

05370 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Redes de Computadores

O Unix permite a utilização de um recurso, que aloca parâmetros dinamicamente, sendo uma evolução do Bootstrap Protocol - BOOTP [RFC951], protocolo padronizado pelo IAB para configuração automática de parâmetros de redes de um sistema.

Ao oferecer um endereço IP a um cliente solicitante, nesse recurso, o servidor lhe envia outros parâmetros opcionais, como máscara de rede, endereços de roteador e de servidores de DNS, nome do cliente, nome do domínio DNS e rotas estáticas.

Esse recurso é conhecido como:
  • a)
    Trivial File Transfer Protocol (TFTP)
  • b)
    Common Internet File System (CIFS)
  • c)
    Network News Transfer Protocol (NNTP)
  • d)
    Internet Control Message Protocol (ICMP)
  • e)
    Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP)

05371 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Redes de Computadores

Uma rede tendo o Unix como sistema operacional no servidor e configurada pela representação CIDR 150.200.0.0/16, integra 24 sub-redes, num esquema de máscara de tamanho variável, conforme distribuição abaixo.

- Uma sub-rede com 30.000 máquinas fisicamente conectadas,
- Quinze sub-redes com 2.000 máquinas, cada uma,
- Oito sub-redes com 250 máquinas, cada uma.

Tendo o IP 150.200.0.0/16 como ponto de partida para executar a distribuição de faixas de IP´s para as sub-redes e atender às condições especificadas no problema, pode-se afirmar que uma configuração possível para a subrede com 30.000 máquinas, é:
  • a)
    150.200.240.96/21
  • b)
    150.200.144.0/25
  • c)
    150.200.128.0/17
  • d)
    150.200.0.32/23
  • e)
    150.200.0.0/19

05372 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Redes de Computadores

O BGP é um protocolo de roteamento para ser usado entre múltiplos sistemas autônomos em Internets baseadas no protocolo TCP/IP, que possui, entre outras, as seguintes características:

I. o BGP-4, por meio das RFCs 1771 e 1772, tornou-se o sucessor natural do EGP, atacando suas deficiências mais sérias, ou seja, evitando loops de roteamento e permitindo o uso de políticas de roteamento entre ASs baseado em regras arbitrárias por ele definidas.
II. o BGP-4 foi a primeira versão do BGP a suportar endereços agregados (Classless Interdomain Routing, ou simplesmente CIDR) e o conceito de supernets.
III. o protocolo BGP-4 assume que o roteamento interno do AS é feito por meio de um sistema IGP (Interior Gateway Protocol) de roteamento interno. Este pode ser um protocolo de roteamento como RIP, OSPF, IGRP e EIGRP, ou até mesmo por meio de rotas estáticas.

No seu funcionamento, para o transporte das informações de roteamento, o BGP faz uso da porta TCP identificada pelo número:
  • a)
    64.
  • b)
    96.
  • c)
    137.
  • d)
    153.
  • e)
    179.

24724 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Sistemas Operacionais

No UNIX, o DNS é implementado por meio do software Berkeley Internet Name Domain (BIND), que segue a filosofia cliente/servidor.
O cliente do BIND é denominado "resolver", responsável por gerar as "queries" enquanto que o servidor do BIND é chamado por "named", responsável por responder às "queries".
Configurações BIND são descritas pelo tipo de serviço a ser executado pelo software, existindo quatro níveis de serviço que podem ser definidos nessas configurações: "resolver-only systems", "caching-only servers", "primary servers" e "secondary servers".
Os parâmetros que definem a configuração do "resolver-only systems" são inseridas no seguinte arquivo:
  • a)
    /etc/resolv.sys
  • b)
    /etc/resolv.cfg
  • c)
    /etc/resolv.bind
  • d)
    /etc/resolv.conf
  • e)
    /etc/resolv.parm

24725 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Sistemas Operacionais

No ambiente Microsoft Windows Server 2000/2003 existe um serviço configurável que permite ao servidor Windows 2000/2003 Server rodar aplicações de 32 bits de forma centralizada no servidor.
Este serviço é conhecido por:
  • a)
    Active Directory Service
  • b)
    Remote Access Service
  • c)
    Virtual Machine Service
  • d)
    Application Service
  • e)
    Terminal Service

24726 FGV (2009) - MEC - Gerente de Suporte / Sistemas Operacionais

O Windows Server 2003 R2 ajuda a integração de sistemas UNIX e Windows, incluindo aplicativos baseados em UNIX personalizados e legados, serviços de segurança e diretório, compartilhamento de impressoras e arquivos, e scripts de aplicativos e gerenciamento.
Um dos componentes de interoperabilidade UNIX com o Windows Server 2003 R2 é o subsistema para aplicativos que fornece um Sistema Operacional para processos específicos, que pode ser traduzido como Interface Portável entre Sistemas Operacionais e uma família de normas designada como IEEE 1003, por meio do qual os administradores podem compilar e executar seus aplicativos com pouca ou nenhuma mudança no código fonte original.
Esse tipo é conhecido pela denominação:
  • a)
    API
  • b)
    POSIX
  • c)
    ISO 12647
  • d)
    PORTMAP
  • e)
    DATAMAX