20 resultados encontrados para . (0.009 segundos)

74612 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Pedagogia

Os pares mínimos, estudados pela Fonologia, são palavras ou sinais muito semelhantes, que se diferenciam somente por uma característica específica. O par que se diferencia, em língua brasileira de sinais, apenas quanto à locação, é

  • a)
    QUEIJO/TER
  • b)
    AZAR/DESCULPA
  • c)
    CUIDAR/AJUDAR
  • d)
    TRABALHAR/ PRIM@
  • e)
    ACOSTUMADO/EDUCADO

74613 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Pedagogia

De acordo com Lacerda (2010), no Brasil, a publicação do Decreto 5.626/2005 tornou obrigatória a presença do tradutor e intérprete de língua de sinais nos espaços educacionais que recebem alunos surdos. Na verdade, a Lei 10.098, de 2000, na perspectiva da educação inclusiva, já previa a presença do TILS no nível superior, não havendo, contudo, nenhuma descrição de como formá-lo. Assim, as instituições de ensino superior (IES), para atender a demandas judiciais e/ou da comunidade surda, passaram a contratar pessoas que se dispunham a atuar como TILS sem avaliar mais pormenorizadamente sua formação e competência para exercer esta função. Importava que atuassem em sala de aula de forma satisfatória diante do aluno surdo e dos professores. Nesse contexto, a inserção do TILS no campo educacional,

  • a)
    nas IES públicas, deu-se inicialmente por contrato firmado entre as IES e as associações de surdos.
  • b)
    foi de forma gradativa, viabilizando, assim, uma preparação prévia da escola, do corpo docente e discente para a presença deste profissional no espaço escolar.
  • c)
    houve o cuidado de proporcionar cursos básicos, de forma ainda que incipiente, para que o TILS pudesse atuar com um mínimo de condições interpretativas na escola.
  • d)
    houve uma preocupação em efetivar esses profissionais abrindo, assim, vagas para TILS em concursos públicos na categoria D do plano federal para os cursos de graduação.
  • e)
    deu-se sem um cuidado com sua formação prévia e tornouse comum pessoas, sem formação no nível superior, atuarem como intérpretes neste nível de ensino, ou ainda, não teremformação específica nas áreas de conhecimento em que atuavam.

74614 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Pedagogia

Para realizar a interpretação da língua falada para a língua sinalizada, e vice-versa, é necessário que o intérprete do par linguístico Libras/Língua Portuguesa observe alguns preceitos éticos. Com base nesses preceitos, relacione a segunda coluna de acordo com a primeira: COLUNA I COLUNA II 1- Confiabilidade 2- Imparcialidade 3- Discrição 4- Distância profissional 5- Fidelidade ( ) o profissional intérprete e sua vida pessoal são separados. ( ) o intérprete deve ser neutro e não interferir com opiniões próprias. ( ) o intérprete não pode alterar a informação ou emitir opiniões a respeito de algum assunto. ( ) sigilo profissional. ( ) o intérprete deve estabelecer limites no seu envolvimento durante a atuação. A sequência correta é

  • a)
    1, 3, 2, 4, 5.
  • b)
    3, 2, 1, 5, 4.
  • c)
    4, 2, 5, 1, 3.
  • d)
    5, 1, 4, 2, 3.
  • e)
    5, 3, 4, 1, 2.

80329 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Legislação Federal

No capítulo IV da Lei 13.146 que trata do direito à educação, a

disponibilização do tradutor e intérprete fica assim definida:

  • a)

    Os tradutores e intérpretes da Libras que atuarem na gradua- ção e na pós-graduação deverão possuir certificação de pósgraduados lato sensu ou stricto sensu.

  • b)

    Os tradutores e intérpretes da Libras devem possuir, para a atuação na educação básica e no ensino superior, habilitação prioritária em Tradução e Interpretação em Libras e/ou Comunicação Assistiva.

  • c)

    A atuação dos tradutores e intérpretes da Libras, na educa- ção básica e na educação superior, serão orientados de acordo com os dispositivos legais presentes na Lei 12.319/210 que trata do reconhecimento da profissão deste profissional.

  • d)

    Os tradutores e intérpretes da Libras, atuantes na educação básica devem, no mínimo, possuir graduação completa, preferencialmente em Tradução e Interpretação em Libras. Os tradutores e intérpretes, quando direcionados à tarefa de interpretar, nas salas de aula dos cursos de graduação e pósgraduação, devem possuir nível superior com certificação em pós-graduação lato sensu.

  • e)

    Os tradutores e intérpretes da Libras, atuantes na educação básica devem, no mínimo, possuir ensino médio completo e certificado de proficiência em Libras. Os tradutores e intérpretes da Libras, quando direcionados à tarefa de interpretar, nas salas de aula dos cursos de graduação e pós-graduação, devem possuir nível superior, com habilitação, prioritariamente, em Tradução e Interpretação em Libras.

80330 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Pedagogia

Lacerda (2010) aborda, em seu artigo, que um discurso é sempre constituído por diversas linguagens sociais. Nesta perspectiva, a palavra não tem um sentido único, mas possui uma multiplicidade de sentidos, que são produzidos na enunciação, no acontecimento e na interação social. É exatamente neste terreno pantanoso e plural que atua o tradutor/intérprete, elegendo os sentidos que lhe parecem os mais promissores para serem transpostos para uma outra língua em cada processo tradutório. De acordo com o texto, a posição de um intérprete é a de

  • a)
    uma posição neutra, respeitando a estrutura linguística que, como consequência, pode-se deixar num segundo plano os aspectos culturais de ambas as línguas envolvidas no processotradutório.
  • b)
    buscar a compreensão linguística em uma língua e na produ- ção estrutural na outra. Os conhecimentos do intérprete precisam ser básicos para que possa buscar os conceitos pretendidos pelo decodificador.
  • c)
    alguém passivo, um profissional que verte de uma língua a outra, fazendo uma interlocução passiva que, buscando compreenderos sentidos pretendidos pelo locutor, justamente por ter uma escuta singular, elege aqueles mais pertinentes e os verte para a língua-fonte.
  • d)
    interpretar de forma a atender o linguístico na atividade interpretativa. Os campos culturais e sociais podem ser desconsiderados quando se pretende compreender um enunciado. Para além do conhecimento da gramática da língua, importa conhecer os diferentes usos da linguagem escrita do enunciador.
  • e)
    um interlocutor que, na situação discursiva, precisa fazer escolhas, eleger sentidos, para deles se apropriar e fazê-los chegar ao seu destinatário. Faz escolhas não para colocar suas impressões, mas suas impressões são fundamentais nas escolhas de sentido que faz para verter de uma língua a outra com a maior fidedignidade possível.

80331 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Pedagogia

De acordo com o Decreto 5626/2005 e com o PNE, a Libras-Tátil está entre as mobilidades de comunicação para pessoa surdacega. O conceito coerente sobre essa mobilidade é

  • a)
    a utilização do código braile com o auxílio de um guia intérprete conhecedor do mesmo.
  • b)
    a utilização de vários recursos de comunicação pela pessoa surdo-cega, como: áudio, legenda, braile, LIBRAS.
  • c)
    um dos métodos de comunicação utilizado pela pessoa surdocega, em que esta posiciona a mão sobre a boca e o pescoço de um intérprete e pode sentir a vibração de sua voz e entender o que está sendo dito.
  • d)
    um dos métodos de comunicação utilizado pela pessoa surdacega, em que ela segura a mão do guia-intérprete pelo polegar e consegue perceber, através dos movimentos e das configurações de mão, a língua de sinais.
  • e)
    o conjunto de métodos de comunicação, utilizado pela pessoa surdo-cega, que inclui escrever na mão de um intérprete com o alfabeto manual; posicionar a mão sobre a boca e o pescoço do mesmo para sentir a vibração da sua voz; segurar e apalpar a mão do intérprete enquanto este sinaliza; utilizar o braile.

80332 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Pedagogia

A Fonética e a Fonologia das Línguas de Sinais são áreas da Linguística que estudam as unidades mínimas dos sinais que não apresentam significado isoladamente. Analise as afirmativas abaixo sobre a Fonética e a Fonologia nas Línguas de Sinais: I- A principal preocupação da Fonética é descrever as unidades mínimas dos sinais. II- A Fonética é um ramo da Linguística que objetiva identificar a estrutura e a organização dos constituintes fonológicos, propondo modelos descritivos e explanatórios. III- A Fonética é a área que investiga o aspecto material das unidades mínimas das Línguas de Sinais. IV- A Fonologia das Línguas de Sinais descreve as propriedades fí- sicas, articulatórias e perceptivas de configuração e orientação de mãos, movimento, locação, expressão corporal e facial. V- A Fonologia estuda as diferenças percebidas e produzidas relacionadas às diferenças de significado. Estão corretas as afirmativas

  • a)
    I e IV.
  • b)
    II e IV.
  • c)
    I, III e V.
  • d)
    I, IV e V.
  • e)
    II, III e V.

88887 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Legislação Federal

A Lei 13.146 que institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa

com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência), em seu artigo

2º no § 1º, informa que a avaliação da deficiência, quando

necessária, será biopsicossocial, realizada por equipe multiprofissional

e interdisciplinar e considerará

  • a)

    os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo; os fatores socioambientais, psicológicos e sociais; a limitação no desempenho de atividades; a restrição de participação.

  • b)

    as possibilidades nas funções e em determinadas partes do corpo; os fatores ambientais, individuais e financeiros; a expansão no desempenho de atividades; a amplificação de participação.

  • c)

    audiometria e avaliação psicológica; a deficiência de natureza ísica, mental, intelectual ou sensorial; o desempenho físico da pessoa com deficiência; exames somente psicológicos que comprovem a deficiência.

  • d)

    os exames realizados preferencialmente na rede pública de saúde; após a realização dos exames, os mesmos deverão ser periciados por profissionais habilitados; a presença do tradutor intérprete de língua de sinais, Língua Portuguesa durante os exames realizados pela pessoa surda é optativa.

  • e)

    possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos; concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a serem usados por todas as pessoas, sem necessidade de adaptação; equipamentos, dispositivos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivem promover a funcionalidade, relacionada à atividade e à participação da pessoa com deficiência; atitude ou comportamento que limiteou impeça a participação social da pessoa.

88888 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Legislação Federal

A Lei 12.319/2010 que regulamenta a profissão do Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS em seu art. 6º apresenta as atribuições do tradutor e intérprete no exercício de suas competências. São atribuições deste profissional, EXCETO:

  • a)
    Atuar nos processos seletivos para cursos na instituição de ensino e nos concursos públicos.
  • b)
    Prestar seus serviços em depoimentos em juízo, dispensando a atuação em órgãos administrativos ou policiais.
  • c)
    Atuar no apoio à acessibilidade aos serviços e às atividadesfim das instituições de ensino e repartições públicas.
  • d)
    Efetuar comunicação entre surdos e ouvintes, surdos e surdos, surdos e surdos-cegos, surdos-cegos e ouvintes, por meio das Libras para a língua oral e vice-versa.
  • e)
    Interpretar, em Língua Brasileira de Sinais - Língua Portuguesa, as atividades didático-pedagógicas e culturais desenvolvidas nas instituições de ensino nos níveis fundamental, médio e superior,de forma a viabilizar o acesso aos conteúdos curriculares.

88889 FCM (2016) - IF Sudeste - MG - Tradutor Intérprete de Libras / Pedagogia

Lacerda (2010) elenca que, dentre os profissionais que atuam para efetivar práticas de educação inclusiva, encontram-se aqueles previstos para realizarem atendimento educacional especializado. Em relação à surdez, são os profissionais com conhecimentos específicos

  • a)
    na área educacional, psicológica e sociológica.
  • b)
    no ensino da Língua Portuguesa, com proficiência na modalidade oral.
  • c)
    no ensino da Língua Portuguesa, na modalidade de língua materna, e fonoaudiólogos com proficiência na língua de sinais.
  • d)
    no treinamento da fala, com conhecimentos na área de psicologia educacional, instrutores de surdos e tradutores intérpretes de língua de sinais.
  • e)
    no ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras), da Língua Portuguesa na modalidade escrita como segunda língua, e tradutores e intérpretes de língua de sinais (Libras/Português) (TILS).