30 resultados encontrados para . (0.006 segundos)

77732 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Direito Administrativo

Cláudio, servidor público estadual, praticou ato administrativo viciado. Determinado administrado, ao notar o ocorrido, comunicou ao servidor o vício, no entanto, houve a convalidação do ato administrativo. A propósito do tema, é correto afirmar que

  • a)
    a Administração pública não tem a opção de retirar ou não o ato viciado do mundo jurídico; o que ela pode é extirpar o ato viciado através do instituto da revogação.
  • b)
    todo ato administrativo viciado deve ser anulado pela Administração pública, não importando o vício nele contido.
  • c)
    nem sempre é possível a convalidação do ato administrativo; depende do tipo de vício que atinge o ato.
  • d)
    a Administração pública pode, por razões de conveniência e oportunidade, manter hígido ato administrativo viciado, não importando o vício nele contido.
  • e)
    se o vício existente no ato encontra-se no motivo do ato administrativo, agiu corretamente a Administração pública.

77733 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Matemática Financeira

Em uma determinada data, uma pessoa aplica todo seu dinheiro em duas instituições financeiras X e Y. Em X, aplica um capital, durante 8 meses, sob o regime de capitalização simples a uma taxa de 9,6% ao ano e resgata todo o montante correspondente no final do período. Em Y, aplica o restante de seu dinheiro, durante 2 trimestres, sob o regime de capitalização composta a uma taxa de 4% ao trimestre. Sabe-se que o capital aplicado em Y supera em R$ 10.000,00 o que foi aplicado em X. Se o valor dos juros da aplicação em Y, no final do período de aplicação, foi igual a R$ 2.774,40, então o montante resgatado pela aplicação em X foi, em reais, de

  • a)
    26.068,00.
  • b)
    25.536,00.
  • c)
    27.132,00.
  • d)
    25.004,00.
  • e)
    26.600,00.

77734 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Matemática Financeira

Em um plano de pagamento com base no Sistema de Amortização Constante − SAC observa-se que ele corresponde a um empréstimo de um determinado valor a uma taxa de 2% ao mês, a ser liquidado por meio de 60 prestações mensais e consecutivas, vencendo a primeira prestação 1 mês após a data da concessão do empréstimo. Se o valor da penúltima prestação é igual a R$ 2.600,00, então o valor da 25a prestação é, em reais, igual a

  • a)
    4.300,00.
  • b)
    3.800,00.
  • c)
    4.350,00.
  • d)
    3.850,00.
  • e)
    3.950,00.

77735 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Contabilidade Geral

A empresa GásBrasil S.A. está desenvolvendo novo processo de produção para extração em aterros sanitários. NÃO deve incorporar ao Custo deste ativo intangível:

  • a)
    gastos com materiais e serviços consumidos ou utilizados na geração do ativo intangível.
  • b)
    custos de benefícios a empregados relacionados a geração do ativo intangível.
  • c)
    taxa de registro de direito legal.
  • d)
    amortização de patentes e licenças utilizadas na geração do ativo intangível.
  • e)
    gastos com o treinamento de pessoal para operar o ativo.

77736 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Auditoria

Na auditoria independente das demonstrações contábeis do exercício de 2015 de determinada empresa estatal do Governo do Estado, o auditor constatou que na conta de “Duplicatas a Receber”, há uma diferença de R$ 2.596.000,00 a maior no saldo contábil. A diferença refere-se a duas duplicatas pagas, mediante cheques, por determinado cliente no mês de dezembro e depositado no mês fevereiro do ano subsequente. Em seu julgamento o Auditor considerou que as demonstrações contábeis apresentam distorções relevantes, mas não generalizadas. Assim, segundo as NBC 705, deve o Auditor

  • a)
    emitir uma opinião adversa.
  • b)
    abster-se de emitir uma opinião.
  • c)
    emitir uma opinião pela regularidade, com recomendação.
  • d)
    emitir uma opinião com ressalva.
  • e)
    considerar o saldo da conta “Duplicatas a Receber” irregular no exercício de 2015.

77737 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Direito Tributário

A empresa atacadista XYZ foi autuada pelas autoridades fiscais de um determinado Estado brasileiro por erro na aplicação da

alíquota prevista em lei para a referida operação. O contribuinte, no exercício de 2013, aplicou a alíquota de 12%, quando

deveria ter aplicado a alíquota de 18%, que era a correta.

Em razão desse erro, as autoridades fiscais estaduais, em julho de 2014, lavraram auto de infração contra esse contribuinte, por

meio do qual reclamaram tanto o valor do ICMS que deixou de ser recolhido em razão do erro cometido, como lhe aplicaram a

penalidade prevista na lei vigente na data em que foi cometida a infração: 30% do valor do imposto que deixou de ser pago em

razão daquele erro.

Notificado da lavratura do referido auto de infração, o contribuinte ofereceu impugnação, em setembro de 2014, por meio da qual

apresentou vários argumentos, inclusive o argumento de que, em 1o

de agosto de 2014, após a lavratura do auto de infração, foi

editada lei ordinária que reduziu a alíquota do imposto para aquela operação, de 18% para 12%, e de que a penalidade

pecuniária foi reduzida, na mesma data, de 30% do valor do imposto que deixou de ser pago, para 20% desse valor.

Com base no relato acima e na disciplina que o Código Tributário Nacional estabelece a esse respeito, o contribuinte

I.deve ser condenado a pagar penalidade pecuniária calculada com base no percentual de 20%, porque, tratando-se de ato

não definitivamente julgado, a lei aplica-se a ato pretérito, quando lhe comine penalidade menos severa que a prevista na

lei vigente ao tempo da prática infracional.

II.deve ser condenado a pagar penalidade pecuniária calculada com base no percentual de 20%, porque a lei tributária que

comina penalidades, deve ser interpretada da maneira mais favorável ao acusado.

III.deve ser condenado a pagar penalidade pecuniária calculada com base no percentual de 30%, porque esse era o

percentual da penalidade pecuniária previsto em lei, na data do cometimento da infração.

IV.não deve ser condenado a pagar a diferença de imposto, porque, tratando-se de ato não definitivamente julgado, a lei

aplica-se a ato pretérito, quando fixe alíquota menos gravosa do que a prevista na lei vigente ao tempo da prática

infracional.

V.deve ser condenado a pagar a diferença de imposto, porque a retroatividade benéfica não se aplica aos tributos, mas

apenas às penalidades pecuniárias.

VI.não deve ser condenado a pagar a diferença de imposto, porque a lei tributária que fixa alíquota menos gravosa, deve ser

interpretada da maneira mais favorável ao acusado.

Está correto o que se afirma APENAS em

  • a)
    I e V.
  • b)
    II e VI.
  • c)
    III e V.
  • d)
    I e IV.
  • e)
    III e IV.

80794 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Direito Administrativo

Considere: I.Determinado Estado da Federação fiscaliza a atividade de autarquia estadual, com o objetivo de garantir a observância de suas finalidades institucionais. II.A Administração pública pode, através dos meios legais cabíveis, impedir quaisquer atos que ponham em risco a conservação de seus bens. III.Os atos da Administração pública revestem-se de presunção relativa, sendo o efeito de tal presunção a inversão do ônus da prova. No que concerne aos princípios do Direito Administrativo,

  • a)
    todos os itens relacionam-se corretamente a princípios do Direito Administrativo, quais sejam, princípios da tutela, autotutela e presunção de legitimidade, respectivamente.
  • b)
    nenhum deles está relacionado a princípios do Direito Administrativo.
  • c)
    apenas os itens I e II relacionam-se corretamente a princípios do Direito Administrativo, quais sejam, princípios da tutela e da autotutela, respectivamente, estando o item III incorreto.
  • d)
    apenas o item II relaciona-se corretamente a princípio do Direito Administrativo, qual seja, o princípio da tutela, estando os itens I e III incorretos.
  • e)
    apenas os itens I e II relacionam-se corretamente a princípios do Direito Administrativo, quais sejam, princípios da especialidade e da tutela, respectivamente, estando o item III incorreto.

80795 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Matemática Financeira

Uma empresa consegue, por meio do desconto de 2 títulos em um banco, receber o valor total de R$ 40.180,00. A taxa de desconto do banco é de 18% ao ano para qualquer operação de desconto e ambos os títulos foram descontados 4 meses antes de seus vencimentos. Sabe-se que para o primeiro título utilizou-se a operação de desconto racional simples e, para o segundo, a operação de desconto comercial simples. Se o valor nominal do segundo título é igual a R$ 22.000,00, então o valor nominal do primeiro título é, em reais, igual a

  • a)
    21.200,00.
  • b)
    22.790,00.
  • c)
    19.080,00.
  • d)
    22.260,00.
  • e)
    20.670,00.

80796 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Contabilidade Geral

A empresa Valia S.A. manteve em seus ativos, o grupo de ativo diferido, após 2007. É correto afirmar que as demonstrações financeiras após 2007 estão

  • a)
    de acordo com as normas brasileiras vigentes, podendo somente amortizar o saldo existente do ativo diferido, em 2007.
  • b)
    de acordo com as normas brasileiras e pode ter movimentações complementares do saldo do Ativo Diferido, desde que os aumentos de saldos ocorram por gastos com despesas pré-operacionais.
  • c)
    em desacordo com as normas societárias vigentes e deve ter seu saldo total do Ativo Diferido, reclassifico para o resultado não operacional.
  • d)
    de acordo com as normas brasileiras, mas devem ter o saldo baixado em 8 anos, conforme prevê a Lei.
  • e)
    em desacordo com as normas brasileira vigentes e devem ter o saldo total reclassificado para o Ativo Intangível.

80797 FCC (2016) - Copergás - PE - Analista Contábil / Auditoria

A Companhia de Transportes Urbanos e Interurbanos do Estado visando à renovação da frota, no exercício de 2015, comprou 20 ônibus novos. Na auditoria das demonstrações contábeis da empresa, o Auditor ao examinar a transação de compra dos ônibus, segundo as Normas Brasileiras de Auditorias – NBC TAs, aplicou o procedimento de auditoria denominado

  • a)
    observação.
  • b)
    revisão.
  • c)
    materialidade.
  • d)
    avaliação.
  • e)
    inspeção.