20 resultados encontrados para . (0.011 segundos)

74372 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

A alternativa em que a característica de notação da estrutura linguística NÃO é inerente ao sistema de escrita de sinais e proposto no Brasil ao final da década de noventa:

  • a)
    linear.
  • b)
    são utilizados “ponto final” e “dois pontos” com o mesmo valor do português escrito.
  • c)
    escrito da esquerda para direita.
  • d)
    de base alfabética.
  • e)
    as palavras são separadas por espaço em branco.

74373 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

“Mão direita em L, palma para a esquerda, ponta do polegar tocando o queixo. Balançar o indicador para a esquerda duas vezes”. A opção que apresenta a categoria do sinal cuja execução encontra-se descrita neste enunciado é:

  • a)
    comida.
  • b)
    documento.
  • c)
    língua.
  • d)
    mobiliário.
  • e)
    bebida.

74374 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

A mesma configuração de mãos usada para executar a letra “B” forma a base para a execução do sinal correspondente à palavra:

  • a)
    paciência.
  • b)
    grátis.
  • c)
    casa.
  • d)
    acreditar.
  • e)
    minuto.

74375 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

Sobre a sinalização de narrativas em Língua de Sinais, é INCORRETO afirmar que:

  • a)
    os referentes podem ser introduzidos no discurso por meio de dêixis e retomados posteriormente por forma anafórica.
  • b)
    na construção de uma narrativa, a retomada anafórica pode ser feita através de sinais manuais acompanhados da direção do olhar e movimentos do corpo.
  • c)
    assim como nas línguas orais, o uso da referência dêitico-anafórica nas línguas de sinais não causa problemas de ambiguidade nas produções linguísticas.
  • d)
    além da direção do olhar e dos movimentos do corpo, uma retomada anafórica pode ser ainda composta apenas pelo uso do olhar e a introdução de um segundo referente na narrativa.
  • e)
    a língua de sinais exige para o seu uso estratégias de memorização visual, ordenação espacial dos elementos, entre outros mecanismos. Uma narrativa que não respeite o lugar previamente fixado no espaço para a retomada anafórica de algum elemento ou personagem pode incorrer em incoerência discursiva.

80600 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

No final da década de noventa, com base no trabalho de Stokoe (1965) e Sutton (1981), foi proposto um sistema de escrita das Línguas de Sinais, no Brasil, que, após vários nomes/siglas, convencionou-se chamar, definitivamente, de:

  • a)
    AlfaSignum.
  • b)
    QuiroWriting.
  • c)
    PictoSis.
  • d)
    ELiS.
  • e)
    ScripSig.

80601 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

“Mãos em V, palma para frente. Girar a mão pelo pulso para dentro, em direção à face, virando a palma para baixo”. A opção em que a frase se refere à descrição feita neste enunciado é:

  • a)
    Matar a cobra e mostrar o pau.
  • b)
    Na ponta da língua!
  • c)
    Olhe para mim!
  • d)
    Que susto!
  • e)
    Olhem para mim!

80602 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

Ao conjunto de representações que obrigam os surdos a se olharem e se narrarem como se fossem ouvintes convencionou-se chamar de:

  • a)
    oralismo.
  • b)
    surdismo.
  • c)
    letramento.
  • d)
    transladação.
  • e)
    ouvintismo.

88731 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

O planejamento educacional, embasado na educação oralista, organiza-se a partir de uma perspectiva clínico-patológica da surdez. É uma característica dessa perspectiva do planejamento educacional:

  • a)
    centrar-se nas capacidades e não nas limitações.
  • b)
    valorizar o sujeito aprendiz.
  • c)
    identificar e estimular as potencialidades dos aprendizes.
  • d)
    centrar-se na limitação e não nas capacidades.
  • e)
    re-significar o erro em prol da aprendizagem.

88732 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

A opção que define corretamente o conceito de “Língua de Sinais Primária” é:

  • a)
    refere-se aos primeiros sinais aprendidos após a escolarização e contato com os primeiros surdos da comunidade.
  • b)
    uma língua de sinais medieval que deu origem às atuais famílias de línguas de sinais existentes.
  • c)
    refere-se ao primeiro sistema de sinais, ensinado por Ernest Huet a surdos franceses.
  • d)
    trata-se dos gestos ou construções simbólicas inventadas no âmbito familiar; umsistema convencional de comunicação também conhecido por “sinais caseiros”.
  • e)
    trata-se do sistema de comunicação utilizado antes do advento das línguas orais. É também conhecido por “Língua Primata deSinais”.

88733 COSEAC (2016) - Prefeitura de Niterói - RJ - Professor - Língua Brasileira de Sinais - Libras / Pedagogia

A alternativa que NÃO corresponde à categorização das “Identidades Surdas” é a de Identidades Surdas:

  • a)
    Híbridas.
  • b)
    de Transição.
  • c)
    Totalizantes.
  • d)
    Incompletas.
  • e)
    Flutuantes.