50 resultados encontrados para . (0.009 segundos)

138563 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

Os chanfros usados em soldagem são escolhidos em função de vários fatores.

Com relação à escolha do chanfro adequado, deve-se levar em consideração que o chanfro

  • a)
    tipo I para juntas de topo na posição horizontal é recomendado para chapas espessas e não para chapas finas.
  • b)
    tipo K tem a vantagem de equilibrar melhor as tensões térmicas.
  • c)
    tipo U tem sempre menor custo de preparação que o chanfro tipo meio V.
  • d)
    com face da raiz de dimensão elevada diminui o risco de falta de penetração.
  • e)
    com abertura de raiz elevada torna dispensável o uso de mata-junta.

206591 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

Mostrar/Esconder texto associado

No diagrama p-v, a área delimitada pelos pontos 1-2-a-b-1 corresponde ao

  • a)
    trabalho de entrada por unidade de massa durante o processo de compressão.
  • b)
    trabalho de saída por unidade de massa, durante o processo de admissão.
  • c)
    trabalho realizado por unidade de massa, à medida que o pistão se move do ponto morto superior para o ponto morto inferior.
  • d)
    calor adicionado por unidade de massa.
  • e)
    calor rejeitado por unidade de massa.

206592 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

Um engenheiro mecânico de manutenção de uma refinaria, em função de falhas seguidas de uma transmissão por correias trapezoidais de um motor elétrico de 50 HP, está verificando a possibilidade de trocá-las por um acionamento por corrente.

O acionamento por corrente

  • a)
    utilizaria passos diferentes em cada uma das duas rodas dentadas.
  • b)
    utilizaria as mesmas polias usadas para as correias trapezoidais.
  • c)
    precisaria ser lubrificado, mas se bem especificado, seria uma boa escolha para substituição das correias trapezoidais.
  • d)
    seria aplicável só para pequenas potências, inviabili­zando o seu uso para o motor elétrico de 50 HP.
  • e)
    dependeria do atrito, portanto não seria uma boa escolha.

206593 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

A flexão de uma viga sujeita a um carregamento transver­sal é tal que a região acima da linha neutra fica sujeita a tensões de compressão, e a região abaixo da linha neutra fica sujeita a tensões de tração.

Dessa forma, o diagrama que mostra a distribuição dessas tensões normais no regime elástico atuantes na seção transversal da viga é

  • a)
  • b)
  • c)

  • d)
  • e)

206594 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

Em uma barra de 20 cm de comprimento e 4 cm22 de área de seção transversal, atua uma força axial de 1,0 kN. Se, após carregada, a barra apresenta uma deformação de 0,1 mm, a tensão média atuante na seção transversal, em MPa, e a deformação específica, em ., serão, respec­tivamente, de

  • a)
    1,0 e 100
  • b)
    2,0 e 200
  • c)
    2,5 e 100
  • d)
    2,5 e 500
  • e)
    5,0 e 500

206595 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

Como se denomina toda uma série de ligas metálicas que tem como base o cobre e o estanho?

  • a)
    Aço
  • b)
    Nitinol
  • c)
    Wídia
  • d)
    Bronze
  • e)
    Latão

206596 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

A soldagem a arco depende de fonte de energia com características adequadas para o processo de soldagem. Em relação às características que uma fonte tem de apresentar, deve-se observar que fonte

  • a)
    com fator de trabalho de 60% suporta arco aberto sem interrupções durante 36 minutos por hora.
  • b)
    com característica estática plana permite grandes variações de corrente, quando o comprimento do arco varia muito.
  • c)
    de corrente alternada não permite dissociação de óxidos na soldagem de alumínio.
  • d)
    de corrente alternada, em relação à fonte de corrente contínua, gera maior tendência de ocorrer o fenômeno do sopro magnético.
  • e)
    de corrente alternada, em relação à fonte de corrente contínua, é mais recomendada para eletrodos com elementos pouco ionizantes no revestimento.

206597 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

Quando se ligam eletricamente (circuito metálico) dois metais diferentes (eletrodos) imersos em um eletrólito, forma-se uma pilha eletroquímica.

Basicamente, uma pilha eletroquímica tem os componen­tes mencionados a seguir, que apresentam as seguintes características:

  • a)
    o catodo é o eletrodo que sofre corrosão.
  • b)
    o catodo é o eletrodo que tem a tendência de diminuir a massa.
  • c)
    o anodo é o eletrodo que sofre redução.
  • d)
    os elétrons fluem do anodo em direção ao catodo pelo circuito metálico.
  • e)
    a transformação de energia química em elétrica é sempre um processo não espontâneo.

206598 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

Na peça representada na Figura acima, os arcos Q e R são tangentes às retas P1 e P2, e os furos S estão igualmente espaçados em torno do furo F1.

Para garantir essas condições, desenhando-se com o AutoCAD, usa-se, respectivamente, os comandos
  • a)
    “ intersection” e “ node”
  • b)
    “ intersection” e “ center”
  • c)
    “ tangent” e “ quadrant”
  • d)
    “ tangent” e “ rectangular array”
  • e)
    “ tangent” e “ polar array”

206599 CESGRANRIO (2013) - LIQUIGAS - Engenheiro Júnior - Mecânica / Engenharia Mecânica

O eixo vertical de um grande misturador de líquidos falhou, assim que foi posto em funcionamento, ainda nos testes de recebimento. Esse eixo deveria ter sido feito de aço SAE 1045 temperado e revenido (30 HRC). O eixo não sofreu sobrecarga e estava corretamente instalado e com os mancais devidamente lubrificados. Foi feito um ensaio de dureza no eixo falhado, onde se verificou uma dureza muito abaixo da esperada. A microestrutura foi então analisada em um microscópio metalúrgico, à temperatura ambiente, e mostrou microestrutura de ferrita e perlita.

A conclusão a que se chega, na análise, é a de que a

  • a)
    dureza baixa e a microestrutura de ferrita e perlita comprovam o sucesso do tratamento térmico.
  • b)
    dureza baixa é uma característica esperada em um tratamento de têmpera e revenido bem executado.
  • c)
    dureza baixa e a microestrura de ferrita e perlita mostram que o eixo não passou por têmpera e revenimento.
  • d)
    ferrita e perlita são microestruturas típicas de trata­mento térmico.
  • e)
    microestrura deveria ser austenita, comprovando que o aço foi temperado e revenido.