12 resultados encontrados para . (0.010 segundos)

09411 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


As palavras destacadas abaixo não se diferem somente quanto à pronúncia mais ou menos forte.
“A gente se acostuma a coisas de mais.” (L. 45) “não há muito o que fazer” (L. 51-52 )
A frase em que a palavra destacada foi usada adequadamente à norma-padrão é a seguinte:
  • a)
    Sua casa fica a muitos quilômetros daqui.
  • b)
    Visitarei meu irmão daqui há dois dias.
  • c)
    Passei no vestibular a cerca de sete anos.
  • d)
    Há muitas crianças dediquei a minha vida.
  • e)
    A dois dias cheguei da viagem ao Pará.

09412 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


A partir da leitura do texto, pode-se inferir que o leitor é conduzido a construir uma(um
  • a)
    reação ignorante diante das constantes atitudes de indiferença.
  • b)
    reflexão sobre o fato de muitos se mostrarem inertes diante da vida.
  • c)
    visão pejorativa dos que se acostumam às situações complexas da vida.
  • d)
    visão revoltada acerca dos frequentes noticiários sobre guerras e mortos.
  • e)
    estímulo a um posicionamento áspero em relação à complexidade da vida.

09413 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


“A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos.” (L. 2-3)
Nós nos acostumamos a morar em apartamentos de fundos.
A troca de pronomes também respeita as regras de concordância estabelecidas na norma-padrão em:
  • a)
    Tu te acostuma / Você se acostuma.
  • b)
    Tu se acostuma / Você se acostumas.
  • c)
    Tu te acostumas / Você se acostuma.
  • d)
    Tu te acostumas / Você vos acostuma.
  • e)
    Tu te acostumas / Você vos acostumais.

09414 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


No segundo parágrafo do texto, a autora propõe uma relação de causa e efeito para justificar seu ponto de vista sobre o tema abordado a partir do emprego do conectivo porque, cuja grafia é orientada por seu valor gramatical.
Está também grafado corretamente o que se destaca em:
  • a)
    Sei porquê você chorou ontem.
  • b)
    Não sei o por quê de tanta pressa.
  • c)
    Ele está triste porquê foi transferido.
  • d)
    Não sei o motivo por que ele não veio.
  • e)
    Quero saber porque você não foi à festa.

09415 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


A leitura do trecho “A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar” (L. 30-32) permite concluir que as preposições são exigidas, respectivamente, pelos seguintes verbos:
  • a)
    desejar e ganhar.
  • b)
    desejar e pagar.
  • c)
    pagar e desejar.
  • d)
    necessitar e ganhar.
  • e)
    necessitar e pagar.

09416 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


As crases grafadas no início de cada uma das seguintes frases do texto se justificam pela exigência do verbo acostumar: “Às bactérias de água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios.” (L. 40-41
  • a)
    À ver injustiças
  • b)
    À vida sem prazer.
  • c)
    À alguma forma de tristeza.
  • d)
    À todas as mazelas do mundo
  • e)
    À essa correria em busca do sucesso.

09417 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português



A opção por uma linguagem informal, em algumas passagens do texto, permite jogos de palavras como o que se verifica no emprego de Se nas seguintes frases:

Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço.” (L. 48-49)
Se acostuma para evitar feridas, sangramentos.” (L. 55-56)

Nos trechos acima, as palavras em destaque classificam-se, respectivamente, como
  • a)
    conjunção e pronome
  • b)
    conjunção e preposição
  • c)
    pronome e preposição
  • d)
    pronome e conjunção
  • e)
    conjunção e conjunção

09418 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


A palavra que (L. 1) tem o mesmo valor sintático e morfológico do que se destaca em:
  • a)
    Vamos ao Maranhão, que a passagem está barata.
  • b)
    Ainda que chova, irei ao encontro.
  • c)
    Há mais razões para sorrir que para chorar.
  • d)
    Ele espera que tudo dê certo.
  • e)
    A cidade em que nascemos só prospera.

09419 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português


Em “Se acostuma a não ouvir passarinho” (L. 42), o pronome não está colocado de acordo com a norma-padrão.
Esse desvio da norma-padrão ocorre também em:
  • a)
    Ele estava-nos seguindo.
  • b)
    Espero que nunca nos julgue.
  • c)
    Não me disseram a verdade.
  • d)
    Sempre valorizaram-me muito!
  • e)
    A mulher encheu-se de esperanças.

09420 CESGRANRIO (2012) - LIQUIGAS - Profissional Júnior - Ciências Econômicas / Português

De acordo com as regras de acentuação, o grupo de palavras que foi acentuado pela mesma razão é:
  • a)
    céu, já, troféu, baú
  • b)
    herói, já, paraíso, pôde
  • c)
    jóquei, oásis, saúde, têm
  • d)
    baía, cafeína, exército, saúde
  • e)
    amiúde, cafeína, graúdo, sanduíche