49 resultados encontrados para . (0.008 segundos)

00101 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Programação

Muito utilizada para desenvolvimento de aplicativos Web, a tecnologia Java tem como principal característica gerar aplicações que rodam em qualquer dispositivo que tenha acesso a Internet, utilizando, entre outros recursos, o software
  • a)
    JBC (Java Bytecode Console)
  • b)
    JDB (Java Developer Builder)
  • c)
    MS (Java Management Server)
  • d)
    JAC (Java Application Controler)
  • e)
    JVM (Java Virtual Machine)

00556 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Governança de TI

Uma empresa de desenvolvimento de software, após passar por uma avaliação segundo o modelo CMMI v1.3, foi certificada no nível 2 de maturidade, na representação em estágios. Ao explicar a um cliente as vantagens de estar classificada no nível 2, um vendedor afirmou que a empresa é capaz de

I - desenvolver e manter uma capacidade de medida usada para apoiar as necessidades de informação da gerência;

II - estabelecer e gerenciar um projeto e o envolvimento das partes interessadas de acordo com um processo integrado e defenido, que é adaptado ao conjunto de processos padronizados da organização;

III - gerenciar requisitos do produto e dos componentes do produto e assegurar o alinhamento entre esses requisitos e os planos de projeto e produtos de trabalho.

Considerando-se o nível de maturidade atingido pela empresa, qual(is) dos itens acima o nível certificado comprova?
  • a)
    I
  • b)
    II
  • c)
    I e II
  • d)
    I e III
  • e)
    II e III

00557 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Governança de TI

Cada nivel do modelo CMMI contém várias PA. Essas PA são organizadas em quatro categorias de processo, a saber:
  • a)
    gerenciamento de processos; gerenciamento de engenharia; gerenciamento de produto; gerenciamento de qualidade
  • b)
    gerenciamento de processos; gerenciamento de projetos; engenharia; suporte
  • c)
    gerenciamento de processos; gerenciamento de projetos; engenharia; gerenciamento de qualidade
  • d)
    gerenciamento de processos; gerenciamento de requisitos; engenharia; suporte
  • e)
    gerenciamento de processos; gerenciamento de projetos; engenharia e gerenciamento de fornecedores

02905 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Redes de Computadores

Navegando na web, um usuário escreve, na linha de endereço do navegador, a URL do sítio que deseja acessar. Parte da URL correspondente ao endereço do sítio é convertida em endereço IP pelo serviço
  • a)
    dhcp
  • b)
    dns
  • c)
    ftp
  • d)
    http
  • e)
    tcp

12666 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Engenharia de Software

Uma das formas de modelar o aspecto dinâmico de um sistema com a UML 2.0 é através da utilização do diagrama de máquina de estado (state machine diagram). Nesse contexto, considere os dois diagramas de máquinas de estados representados a seguir de acordo com a notação da UML. Considere que os eventos e as atividades homônimas em ambos os diagramas têm o mesmo significado.



Os dois diagramas de máquinas de estados apresentados são equivalentes entre si.

PORQUE

Modelar o evento02 com uma transição recursiva (conforme o diagrama da direita) é equivalente a modelar o evento02 com uma atividade interna (conforme o diagrama da esquerda).

Analisando-se as afirmações acima, conclui-se que
  • a)
    as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira.
  • b)
    as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira.
  • c)
    a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa.
  • d)
    a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira.
  • e)
    as duas afirmações são falsas.

12667 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Engenharia de Software

Diversas são as métricas utilizadas em engenharia de software. Para a utilização da métrica de pontos de função para medir a funcionalidade entregue por uma aplicação S, a fronteira dessa aplicação deve ser definida. A seguir, diversas contagens devem ser realizadas, como a quantidade de
  • a)
    arquivos de interfaces externas (external interfaces files, EIS), agrupamentos físicos de dados mantidos dentro da fronteira de S e usados para que S forneça informações a usuários ou a sistemas externos.
  • b)
    arquivos lógicos internos (internal logical files, ILF), agrupamentos físicos de dados armazenados fora da fronteira de S e usados para que S obtenha informações de usuários ou de sistemas externos.
  • c)
    consultas externas (external inquiries, EQ), processos elementares que solicitam informações externas à fronteira de S e cujos resultados são armazenados em arquivos lógicos internos.
  • d)
    entradas externas (external inputs), processos elementares que processam informações de controle ou de dados provenientes de fora da fronteira de S.
  • e)
    milhares de linhas de código da aplicação (KLOC), utilizada para obter a quantidade de arquivos lógicos internos e externos necessários para armazenamento de dados usados por S.

12668 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Engenharia de Software

O Processo Unificado divide a realização de um projeto para desenvolvimento de um sistema de software em fases. Em cada uma dessas fases, são executadas atividades de diversas disciplinas em diferentes proporções. No desenvolvimento de um sistema de software complexo, esse processo recomenda
  • a)
    construir uma arquitetura executável ao final da fase de construção, para validar as regras do negócio e os requisitos funcionais do sistema.
  • b)
    criar um modelo de casos de uso durante a fase de elaboração, para documentar as regras do negócio e os requisitos não funcionais do sistema.
  • c)
    usar a abordagem de desenvolvimento iterativa e incremental, para dividir as atividades em iterações em que cada iteração gera um incremento do software.
  • d)
    ordenar os riscos envolvidos no projeto, para que os riscos menos críticos sejam considerados logo na fase de iniciação e os mais críticos nas fases finais.
  • e)
    entregar a primeira versão do sistema logo após a fase de transição, para evitar os problemas existentes no modelo de ciclo de vida em cascata tradicional.

12669 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Engenharia de Software

Na Engenharia de Software, há diversos modelos de ciclo de vida, definidos com variados níveis de formalidade. O modelo
  • a)
    cascata (ou clássico) é adequado para controlar riscos e requisitos voláteis durante o desenvolvimento do sistema.
  • b)
    codificação e correção (code and fix) é adequado para alcançar um bom nível de manutenibilidade do sistema.
  • c)
    prototipagem descartável é adequado para descartar a fase de levantamento de requisitos do sistema a ser desenvolvido.
  • d)
    prototipagem evolutiva entrega uma versão inicial do sistema, que considera requisitos já definidos com o cliente.
  • e)
    espiral é inadequado quando são necessários o uso de protótipos durante a validação do sistema e o reúso de software.

14776 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Banco de Dados

Os conceitos e aplicações de data warehouse e visões de bancos de dados relacionais de sistemas transacionais possuem pontos em comum, e, por conta deles, eventualmente são erroneamente considerados sinônimos. Uma das diferenças entre visões de bancos de dados relacionais e data warehouses reside no fato de que visões relacionais de bancos de dados transacionais
  • a)
    implementam como uma de suas componentes a dimensão tempo, que nem sempre está presente em data warehouses.
  • b)
    permitem a combinação dinâmica de seus dados, em diferentes perspectivas, pela aplicação de operações pivoting e roll up.
  • c)
    podem ser indexadas, ao contrário de data warehouses, que, por sua característica multidimensional, são armazenados em árvores AVL.
  • d)
    podem, diferentemente de data warehouses, ser implementadas com técnicas top down e bottom up.
  • e)
    possuem estados com conteúdo dinâmico, já que elas dependem dos estados das relações que referenciam, diferentemente de data warehouses, de natureza não volátil.

14777 CESGRANRIO (2011) - Transpetro - Analista de Sistemas Junior / Banco de Dados

Considere o diagrama entidade-relacionamento a seguir, que expressa um modelo conceitual de dados. Nesse modelo, pode-se ler que projetos produzem peças, que pessoas trabalham em projetos e que pessoas coordenam outras pessoas. As participações e cardinalidades correspondentes a cada relacionamento estão indicadas no próprio diagrama.



Suponha que, durante o mapeamento do modelo conceitual acima para o modelo relacional, o projetista de banco de dados responsável pela tarefa decidiu mapear cada entidade para uma relação distinta. Ele também decidiu criar o mínimo necessário de relações nesse mapeamento. Sendo assim, as quantidades de chaves primárias e de chaves estrangeiras criadas nesse mapeamento são, respectivamente,
  • a)
    3 e 4
  • b)
    5 e 5
  • c)
    4 e 4
  • d)
    3 e 5
  • e)
    5 e 4