721 resultados encontrados para . (0.013 segundos)

51143 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Em relação ao conteúdo obrigatório das Notas Explicativas, conforme estabelecido nas Normas Brasileiras de Contabilidade, é CORRETO afirmar que:

  • a)
    a divulgação em nota explicativa é suficiente para a correção de erro material com efeito claramente definido, ocorrido na mensuração de um ativo no exercício anterior.
  • b)
    as notas explicativas devem ser apresentadas de forma sistemática e devem apresentar o conteúdo do parecer de auditores independentes.
  • c)
    uma Sociedade Empresária que revende mercadorias deve divulgar nas Notas Explicativas a relação das mercadorias negociadas pela empresa.
  • d)
    uma Sociedade Empresária que revende mercadorias deve divulgar nas Notas Explicativas as políticas contábeis adotadas na mensuração dos estoques.

51144 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Em 2.1.2017, uma Indústria contratou uma construtora para prestar serviços de reforma predial em sua sede.

Conforme contrato firmado, durante o mês de janeiro a construtora disponibilizou equipe especializada para executar a reforma e, no dia 31.1.2017, data da conclusão dos serviços, emitiu Nota Fiscal de Prestação de Serviços com os seguintes dados:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, indique, entre as opções a seguir, o lançamento contábil a ser feito pela construtora que representa o registro dos fatos descritos em 31.1.2017.

  • a)

  • b)



  • c)

  • d)

51145 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Uma Sociedade Empresária que apura seu tributo sobre o lucro com base no resultado contábil reconheceu despesa com depreciação de um veículo por R$20.000,00, no período, o que repercutiu em seu Balanço Patrimonial da seguinte forma:

A autoridade fiscal dessa jurisdição, todavia, somente autoriza a dedução a título de depreciação, para fins de apuração de tributos, de apenas R$10.000,00 nesse mesmo período. O valor restante poderá ser deduzido em períodos futuros.

Há segurança de existência de débitos fiscais suficientes que permitirão o aproveitamento futuro desse crédito. Para esse caso hipotético, deve-se considerar, excepcionalmente, que o Imposto de Renda, à alíquota de 25%, sem adicional, seja o único tributo incidente sobre o lucro.

Considerando-se apenas as informações apresentadas e de acordo com a NBC TG 32 (R3) – TRIBUTOS SOBRE O LUCRO, é CORRETO afirmar que essa diferença irá gerar:

  • a)
    um ativo fiscal diferido de R$2.500,00.
  • b)
    um passivo fiscal diferido de R$2.500,00.
  • c)
    um ativo fiscal diferido de R$45.000,00.
  • d)
    um passivo fiscal diferido de R$45.000,00.

51146 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Como parte de suas operações regulares do dia a dia que envolvem controle de pragas na agricultura, uma Sociedade Empresária reuniu informações suficientes para a construção de uma base de dados. Os custos relacionados à obtenção dos dados não puderam ser segregados das operações regulares, de forma que fossem identificados. Ainda que esses dados precisem ser classificados e organizados sistemicamente para formar, de fato, uma base de dados, estima-se com confiabilidade que seu desenvolvimento em modelo estruturado proporcionará benefício econômico futuro da ordem de $20.000.000,00, já trazidos a valor presente. Considerando-se apenas as informações apresentadas e de acordo com a NBC TG 04 (R3) – ATIVO INTANGÍVEL, acerca dos gastos relacionados à obtenção dos dados elencados é CORRETO afirmar que:

  • a)
    a base de dados deve ser reconhecida, de imediato, como ativo intangível, pelo valor de R$20.000.000,00, cuja estimativa é confiável.
  • b)
    nenhum ativo intangível deve ser reconhecido até esse momento; os gastos anteriores devem ser tratados como despesa.
  • c)
    somente poderá ser reconhecido o ativo intangível pela Sociedade Empresária que possui, até então, os dados, caso haja proposta de aquisição de controle da entidade que se configure como combinação de negócios, ainda que esta não se efetive.
  • d)
    um ativo intangível será reconhecido pela Sociedade Empresária que reuniu os dados, se houver mercado ativo para a comercialização da base de dados, com compradores e vendedores dispostos a negociar, e se os preços forem públicos e conhecidos.

51147 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Uma Sociedade Empresária comercializa equipamentos de informática. Em 31.12.2016, apurou saldo da conta de Mercadorias para Revenda no valor de R$100.000,00, formado por 50 notebooks. Até então, o preço de venda praticado pela Sociedade Empresária era de R$3.000,00 a unidade. Diante do encalhe do estoque desse modelo de notebook, a Sociedade Empresária realizou uma pesquisa de mercado e identificou que seus concorrentes estavam vendendo o mesmo notebook por R$1.500,00 a unidade e, imediatamente, reduziu seu preço de venda para esse valor. Os vendedores da Sociedade Empresária recebem 10% de comissão sobre as vendas. Na mesma data, o Fornecedor dos notebooks para a Sociedade Empresária foi consultado e informou que estava comercializando o mesmo modelo de notebook por R$800,00 cada um, no atacado. Considerando-se apenas as informações apresentadas e de acordo com a NBC TG 16 (R1) – ESTOQUES, a Sociedade Empresária apresenta valor contábil do Estoque, em 31.12.2016, de:

  • a)
    R$40.000,00, pois deve-se reconhecer perda de R$60.000,00 devido ao valor praticado atualmente pelo fornecedor.
  • b)
    R$67.500,00, pois deve-se reconhecer perda de R$32.500,00, considerando-se o valor realizável líquido.
  • c)
    R$135.000,00, pois deve-se considerar o preço de venda atualmente praticado, líquido das comissões sobre vendas.
  • d)
    R$100.000,00, pois deve-se considerar o custo de aquisição dos 50 notebooks praticado pelos fornecedores.

51148 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Em 31.12.2015, a Sociedade Anônima “A" possuía 60% de participação na Sociedade Anônima “B".

Nessa mesma data, o Patrimônio Líquido da Sociedade Anônima “B" apresentava a seguinte composição:

Ao final do exercício de 2016, a Sociedade Anônima “B" apresentou Lucro no valor de R$40.000,00. Para este caso hipotético, considerar que não há dividendo mínimo obrigatório e que todo o lucro foi destinado para Reservas de Lucro.

Em 2016, não houve alteração no percentual de participação e nem houve registro de Outros Resultados Abrangentes.

Até 31.12.2016, não foram observados indicativos de perda com redução ao valor recuperável.

Considerando-se apenas as informações apresentadas e o Resultado da Equivalência Patrimonial, e de acordo com a NBC TG 18 (R2) – INVESTIMENTO EM COLIGADA, EM CONTROLADA E EM EMPREENDIMENTO CONTROLADO EM CONJUNTO, o saldo contábil, em 31.12.2016, que deve ser apresentado no Balanço Patrimonial individual da Sociedade Anônima “A" na conta Participação em Controladas é de:

  • a)
    R$192.000,00.
  • b)
    R$216.000,00.
  • c)
    R$264.000,00.
  • d)
    R$288.000,00.

51149 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Uma Sociedade Empresária comercial constituída em janeiro de 2017, legalmente habilitada, aderiu ao Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – Simples Nacional.

Em janeiro de 2017, havia obtido os seguintes registros relacionados à sua receita de vendas:

As receitas decorrentes da revenda de mercadorias não são sujeitas a substituição tributária, assim como não decorrem da revenda de mercadorias para exportação.

A tabela a seguir reproduz parcialmente as alíquotas a serem aplicadas a cada faixa de receita bruta para os optantes pelo Simples Nacional na atividade de comércio.

Considerando-se apenas as informações apresentadas, o valor dos tributos a serem recolhidos mediante a modalidade Simples Nacional, referente ao mês de competência janeiro de 2017, é de:

  • a)
    R$3.400,00.
  • b)
    R$4.000,00.
  • c)
    R$7.038,00.
  • d)
    R$8.360,00.

51150 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade de Custos

Uma Sociedade Empresária utiliza o Inventário Permanente para controlar seus estoques e apresentou o seguinte movimento, no mês de fevereiro de 2017, de Estoques de Mercadorias para Revenda:

A Sociedade Empresária adota como base para mensuração do estoque o critério Primeiro a Entrar Primeiro a Sair – PEPS.

Considerando-se apenas as informações apresentadas e de acordo com a NBC TG 16 (R1) – ESTOQUES, e desconsiderando-se os tributos incidentes sobre compras e vendas, o valor do Estoque de Mercadorias para Revenda, no final do mês de fevereiro de 2017, é de:

  • a)
    R$48.000,00.
  • b)
    R$56.800,00.
  • c)
    R$76.000,00.
  • d)
    R$132.800,00.

51151 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Pública

Um Município brasileiro utiliza o Plano de Contas Aplicado ao Setor Público – PCASP. Em 2.1.2017, o Município efetuou o lançamento de ofício do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana – IPTU, e o registrou em sua contabilidade de acordo com o Regime de Competência. No dia 2.3.2017, esse Município arrecadou R$40.000,00 relativos ao IPTU. Considerando-se o Plano de Contas Aplicado ao Setor Público – PCASP e o caso apresentado, os lançamentos contábeis que representam a contabilização do fato ocorrido em 2.3.2017 envolverão apenas contas de natureza:

  • a)
    De Controle, Financeira e Patrimonial.
  • b)
    Orçamentária, Patrimonial e Financeira.
  • c)
    Financeira, Orçamentária e de Controle.
  • d)
    Patrimonial, Orçamentária e de Controle.

51570 CFC (2017) - CFC - Contador / Contabilidade Geral

Uma Sociedade Empresária que atua no ramo de construção civil está construindo um prédio onde será instalada uma de suas filiais. Para essa construção, a Sociedade Empresária está utilizando materiais provenientes de seu estoque, bem como usando a mão de obra de seus empregados. Considerando-se o estabelecido nas Normas Brasileiras de Contabilidade, os gastos com a construção do referido prédio deverão ser reconhecidos em uma conta de:

  • a)
    Estoque.
  • b)
    Imobilizado.
  • c)
    Intangível.
  • d)
    Investimentos.